[novo livro] Elsdon Best, l’ethnographe immémorial. Sauvetage et transformation de la mythopoétique maorie (Frederico Delgado Rosa)

      Comentários fechados em [novo livro] Elsdon Best, l’ethnographe immémorial. Sauvetage et transformation de la mythopoétique maorie (Frederico Delgado Rosa)

Frederico Delgado Rosa, sócio da APA é o autor de Elsdon Best, l’ethnographe immémorial. Sauvetage et transformation de la mythopoétique maorie (2018), o mais recente volume (e-book) da coleção Carnets de Bérose, disponível online em acesso aberto.

[+ info] 

[link direto para descarregar volume]


Criticado ou ignorado, por vezes invisível, Elsdon Best (1856-1931) é ao mesmo tempo um antepassado excluído e uma figura chave da história da antropologia, quando mais não seja por ser a fonte de Marcel Mauss relativamente ao conceito maori de hau. Neozelandês, homem da fronteira e representante por excelência da etnografia de salvação, Best é autor de uma profusa obra sobre os temas mais variados, mas interessando-se sobretudo pela espiritualidade e a religiosidade que impregnavam, assim dizia, a existência pré-colonial dos Maori. Influenciado por correntes divergentes, do evolucionismo à mitologia comparada, a sua produção é singular e convida a uma exegese historicista. Mas o livro de Frederico Delgado Rosa põe igualmente em evidência a atualidade escaldante dos arquivos da disciplina e os efeitos dilacerantes que provoca hoje, na Nova Zelândia, o legado etnográfico de Best, inclusive no seio da comunidade maori. Se dificilmente se pode duvidar da sinceridade da sua abordagem, da sua ligação profunda aos anciãos e da sua admiração pelo seu saber, é inegável que as relações que mantinham eram subvertidas ou, pelo menos, tornadas ambíguas por uma situação colonial profundamente assimétrica. Decididamente, a história da antropologia não diz apenas respeito a temas frios ou passadistas. Este estudo de caso, em torno de uma figura suscetível de se tornar uma referência incontornável por razões muito afastadas do debate ocidental sobre a dádiva e o hau maori, revela a que ponto as perspetivas históricas e contemporâneas se imbricam. Como escreve Herbert S. Lewis no prefácio: “A história da disciplina e a nossa relação turbulenta com o arquivo poderão ser profundamente afetadas pela reflexão de Frederico D. Rosa em torno do legado do etnógrafo imemorial que é Elsdon Best.”

Esta obra é o 9º volume dos Carnets de Bérose, uma coleção digital editada pelo IIAC-LAHIC e pelo Département du Pilotage de la recherche et de la politique scientifique da Direction générale des patrimoines (Ministério da Cultura francês).


Frederico Delgado Rosa é professor auxiliar do departamento de antropologia da NOVA FCSH, investigador em história da antropologia no CRIA-FCSH/NOVA, associado ao IIAC-LAHIC-CNRS. É autor, entre outras obras, de L’Âge d’or du totémisme. Histoire d’un débat anthropologique (1887-1929) (Paris, Éditions du cnrs, 2003), e Exploradores portugueses e reis africanos. Viagens ao coração de África no século XIX (Lisboa, A Esfera dos Livros, 2013, em colaboração com Filipe Verde). Codirige, com Christine Laurière, BÉrose ‒ Encyclopédie en ligne sur l’histoire de l’anthropologie et des savoirs ethnographiques. A sua investigação atual recai sobre etnógrafos amadores do período 1870-1922.


Imagens relacionadas: