CONFERÊNCIAS NO MUSEU NACIONAL DE SOARES DOS REIS, PORTO, NO PRÓXIMO DIA 18 DE MAIO DE DE 2019, A PARTIR DAS 14,30 HORAS, DE ENTRADA LIVRE

      Comentários fechados em CONFERÊNCIAS NO MUSEU NACIONAL DE SOARES DOS REIS, PORTO, NO PRÓXIMO DIA 18 DE MAIO DE DE 2019, A PARTIR DAS 14,30 HORAS, DE ENTRADA LIVRE
Promovidas pela SOCIEDADE PORTUGUESA DE ANTROPOLOGIA E ETNOLOGIA – SPAE (que agradece o acolhimento que aquele Museu lhe vem prestando)
 
14,30 -156,30 horas 
por Alexandra Cerveira Lima
sobre 
O ARQUIVO DA MEMÓRIA
A ACOA, Associação de Amigos do Parque e Museu do Côa desenvolveu em 2010-11, em Vila Nova de Foz Côa, o projeto-piloto Arquivo de Memória, apoiado pela Fundação Calouste Gulbenkian/Programa Entre Gerações. Foi muito bem acolhido pelos públicos-alvo e parceiros (Agrupamento de Escolas, Misericórdia, Autarquias). A avaliação da FCG que, para avaliar o desempenho dos projetos que apoiou, fez uma parceria com o Oxford Institute for Aging, foi muito positiva. Em 2011 o projeto deu origem ao Clube UNESCO Entre Gerações. Foi replicado entre 2011 e 2013 em 7 concelhos dos Vales do Coa e Douro com apoio da FCG e QREN (PROVERE COA), procurando-se o envolvimento das comunidades e levando-se o projeto de aldeia em aldeia: a Memória em Festa. Houve também uma experiência piloto do outro lado da fronteira, junto a Siega Verde, com o apoio da Fundação Duques de Soria.
Através da articulação entre escolas, lares e centros de dia, promoveram-se encontros entre jovens e idosos, registaram-se em vídeo histórias de vida, digitalizaram-se e conservaram-se pequenos arquivos pessoais. Com estas recolhas criou-se um Arquivo (na base de dados In Patrimonium), um site (www.arquivodememoria.pt), desenvolveram-se laços intergeracionais e contribui-se para o registo da história oral da região. Com o apoio do ON-2 O Novo Norte, foi posteriormente possível consolidar o projeto, alargar a área de atuação e testar o Arquivo num ambiente urbano, junto à foz do Douro, na Serra do Pilar.A AUTORA:
Alexandra Cerveira Lima, licenciada em História, Variante de Arqueologia, Mestre em Arqueologia pela FLUP. Foi doutoranda da Universidade Nova de Lisboa e bolseira da FCT, mas interrompe a bolsa e o doutoramento para assumir em 2004 o cargo de directora do Parque Arqueológico do Vale do Côa que dirigiu até 2010, assegurando a abertura e os primeiros meses de funcionamento do Museu do Coa. Atualmente é Chefe da Divisão de Património Cultural na Câmara Municipal do Porto e foi, nos últimos dois anos, Chefe de Divisão de Museus e Património Cultural na mesma CMP. É do quadro do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas e trabalhou no Parque Nacional da Peneda-Gerês e no Parque Natural do Douro Internacional. Foi fundadora da Associação Profissional de Arqueólogos e da Associação de Amigos do Parque e Museu do Coa e consultora da Associação Transumância e Natureza. É mentora do projeto Arquivo de Memória.

 
15,30-16,30 horas
por Ricardo Ferreira de Almeida
sobre
DOÇARIA POPULAR E DINÂMICAS DO TERRITÓRIO E DO PATRIMÓNIO

Nesta conferência pretende-se discutir o assunto da doçaria conventual, habitualmente classificada como matriz das actuais práticas culinárias populares relacionadas com a produção de bolos, doces e congéneres. Para tal, recorreremos a alguns casos situados na bacia portuguesa do Rio Douro, estudando-os criticamente com o objectivo de validar ou desistir desta suposição.

O AUTOR:

Ricardo Manuel Ferreira de Almeida, licenciado em Antropologia pelo ISCTE, mestre em Sociologia pela Universidade de Coimbra e doutor em Sociologia pela Universidade do Minho. É docente universitário no Instituto Politécnico de Viseu e um dos seus interesses de estudo é a cultura popular nas suas múltiplas associações.

16,30 -17,30 horas
Debate com a assistência
 
A direção da SPAE

Imagens relacionadas: